Terracota, Mayolica, Grés, Faiança e Porcelana: um universo a ser descoberto

Texto técnico do Workshop realizado para a ABRACOR (Associação Brasileira de Conservadores e Restauradores de Bens Culturais).

Clique aqui


Reentelamento de um Quadro

Reentelar significa agregar um suporte novo sobre o original, deteriorado. Leia mais…


Imaginária em Gesso

Você possui uma peça artística em gesso? Será que ela tem algum valor?

Pois saiba que a partir do século XIX o gesso também teve lugar na imaginária brasileira. Possibilitou a proliferação de santos e crucifixos, que antes, pelas dificuldades do entalhe na madeira ou da escultura no barro, eram de confecção demorada e, muitas vezes caros.

O gesso possibilitou a cópia, com rapidez e com formas bem precisas, daquelas lindas imagens de madeira e terracota, esculpidas anteriormente. Não requerendo queima como antes se fazia necessário às peças de barro, o gesso facilitou a reprodução em maior escala e, com isso, o barateamento e popularização da imaginária.

Inicialmente as cópias eram ocas e muito refinadas. Recebiam muitas vezes até decoração superposta, em prata e olhos de vidro. Acredita-se que as imagens maciças sejam posteriores, entretanto, durante alguns decênios, os dois tipos ocas e maciças, coexistiram num processo natural de transição.

Em 1920 as imagens em gesso se tornaram mais populares ainda, sendo reproduzidas em escala industrial no Rio de Janeiro. Posteriormente, em 1932 surge a primeira fábrica em São Paulo / Guaratinguetá, atendendo à demanda dos fiéis. O resultado, mais tarde, foi uma série de pequenas indústrias em São Paulo principalmente, suprindo o mercado nacional.

SERIA SUA PEÇA DO SÉCULO XIX? POR QUE NÃO PESQUISÁ-LA?


Marcas de Porcelana

Algumas peças de porcelana e cerâmica possuem marcas no verso, indicando não só a manufatura como também muitas vezes a assinatura do artista que a idealizou ou a de quem a decorou. São centenas de marcas, o que torna impossível reconhecê-las todas sem a ajuda de manuais especializados. Leia mais…